Dominio: missaopoliglota.com.br
Chave: ce01ce45861222d5ba53fe1a151712ce36e8c1bc
Hora do cache: 1513005588
Vida do cache: 1513048788
Status: 1
Mensagem: Centive nao respondeu
Chave do Pedido: 86c1f9f890b64907d5b495a17d81907d68a4a5fb
Chave do Produto: PROKEY
Scroll Top
Livro digital gratuito

Baixe o e-book gratuito "5 estratégias infalíveis para aprender qualquer idioma". Basta inserir seu nome e e-mail.

Artigos

Cultura e língua japonesa com o anime Mushishi

Você pode ler este artigo por dois motivos: 1. Quer realmente saber sobre o anime Mushishi; ou 2. Está curioso até mesmo sobre o que é anime. De qualquer forma, continue a leitura.

mushishi1

Pela foto, talvez não seja possível extrair muito do que é o anime, mas a paisagem de tirar o fôlego já nos dá uma pista: sua fotografia é sensacional. Para os curiosos, um anime é desenho animado de estilo japonês. E como já faz parte da cultura japonesa há alguns anos, vemos anime de vários formatos e sobre os mais variados temas. Os mais conhecidos são sobre lutas. Mas, o que pretendo mostrar por aqui, está longe de ser sobre isso.

É um anime simples e sensível, que se passa no Japão feudal e retrata a presença de seres invisíveis, estranhos àqueles que não possuem a sensibilidade necessária para enxergá-los. O desenho, apesar de ser desenho, não é nada caricatural, as casas e as paisagens representam fielmente o que era o Japão naquela época. Veja essas comparações que fiz com fotos que tirei e com cenas do anime – como não sabia que um dia iria fazer isso, não me esforcei para fazer fotos parecidas, mas garanto que me sinto no Japão quando assisto ao anime. Perceba o uso da luz natural nas casas japonesas e a sua interação com a natureza. E isso é só para falar das casas, as paisagens são ainda mais incríveis.

comparacao_japao_mushishi

Uma comparação do que vi no Japão e no anime

Esses seres estranhos e invisíveis só são vistos por pessoas chamadas de Mushi-shi. Como ninguém mais enxerga essas criaturas, só eles são capazes de entender a influência que elas têm sobre a nossa vida, sobre o nosso dia a dia. Os Mushi-shi se tornam viajantes e passam a ajudar aqueles que sofrem com problemas relacionados aos Mushi – os seres invisíveis.

É interessante perceber que esses casos possuem relação com a mitologia ocidental (greco-romana) e tratam de temas como memória, vida, morte, relacionamentos, depressão e outros temas tão abstratos quanto. A explicação está sempre na influência sofrida pelos Mushi, em como eles operam e alteram nossas ações e nossa existência, mesmo que não tenhamos consciência de sua presença.

Há outros pontos importantes em um anime. Além dos temas que eles trazem, a abertura e o final e os traços com os quais eles são desenhados são fundamentais para caracterizá-los e para determinar uma boa aceitação. A abertura do anime (da primeira temporada) é uma música em inglês, chamada The Sore feet song, de Ally Kerr. O vídeo com a música está logo abaixo e você pode clicar aqui para acompanhar a letra com a sua devida tradução para o português.

Você vai ver que a música não é muito usual para um anime. Primeiro, ela é em inglês e não em japonês; segundo, ela é super tranquila. Tudo isso favorece o clima de sensibilidade que veremos nas próximas cenas. Não estou falando do idioma da música de abertura, mas de seu ritmo e de sua melodia, que preparam quem assiste para a profundidade e para a beleza do anime.

Para não você não dizer que estou mentindo e para que você sinta o mesmo que senti desde o primeiro episódio, ei-lo aqui. Perceba que os traços simples dos personagens contrastam com a perfeição do cenário. Acredito que tenha sido uma forma de mesclar perfeição e imperfeição, para que o espectador não fique tão cansado. Mas também pode ser uma metáfora dos dois mundos. Bem, são muitas interpretações… Você vai me dizer o que acha (fique à vontade para comentar).

A fotografia não é incrível? A preocupação com os detalhes é impressionante. Uma cena de paisagem dura vários segundos e isso nos deixa ainda mais envolvido com a história. Deu pra ver que fiquei realmente impressionado, né? Mais fotos para provar o porquê:

sakura_mushishi

Uma cerejeira no anime

 

Uma cerejeira em Kyoto

Uma cerejeira em Kyoto

Com relação ao idioma, posso dizer que ele é bem fácil de ouvir, até eu, que estou retomando os estudos, consigo relembrar diversas palavras que tinha adquirido com certo esforço: koe, hana, mizu, oto, mizu no oto, shitsurei shimasu… Além disso, os títulos dos episódios são uma boa fonte de estudos para quem gosta de caligrafia japonesa e de poesia: são extremamente poéticos e formados basicamente por kanjis. O título do primeiro episódio, por exemplo, é Midori no za (緑の座). Em português, significa “Assento verde”. Só assistindo ao episódio para poder tentar entender. Logo abaixo, tentei colocar um furigana no título, para mostrar como os kanji devem ser lidos. Espero que não tenha errado tanto assim na posição, porque perdi a prática. Enfim, é algo que você pode fazer, caso deseje realmente estudar os títulos do desenho.

mushishi_titulo1

Título do Primeiro Episódio – Clique para ampliar

Então, é isso. Espero que tenha gostado do artigo e que possa curtir muito o anime. Além, é claro de estudar japonês com ele. Perceba que o estudo pode vir das melhores fontes possíveis, daquilo que você aprecia! Aproveite! 😉

 

Está gostando dos artigos? Inscreva-se para receber ainda mais dicas!

Sobre o autor | Website

Igor Barca domina inglês, francês, italiano e espanhol e estuda alemão e japonês. Sua missão é aprender ao menos 10 idiomas e ajudar você a aprender também!

2 Comentários

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.