Dominio: missaopoliglota.com.br
Chave: ce01ce45861222d5ba53fe1a151712ce36e8c1bc
Hora do cache: 1505949503
Vida do cache: 1505992703
Status: 1
Mensagem: Centive nao respondeu
Chave do Pedido: 86c1f9f890b64907d5b495a17d81907d68a4a5fb
Chave do Produto: PROKEY
Scroll Top
Livro digital gratuito

Baixe o e-book gratuito "5 estratégias infalíveis para aprender qualquer idioma". Basta inserir seu nome e e-mail.

Vídeos

Como memorizar e aprender mais palavras

Uma coisa é certa: para aprender, dependemos da nossa memória. Podemos estimulá-la com alguns recursos e utilizar técnicas que facilitem a memorização de mais palavras. Mas como?

Como memorizar mais palavras

Como memorizar mais palavras?

Tudo o que sabemos e conhecemos está em nossa memória. As palavras que escrevo aqui estão armazenadas em um arquivo que eu acesso com facilidade, o da minha língua materna, que eu uso diariamente.

Mas eu também tenho outros arquivos na cabeça: dos idiomas que uso todos os dias, dos que estou aprendendo, dos que já estudei um dia em minha vida… E não apenas de idiomas, mas de assuntos nos quais adentrei, dos rostos que vi, dos lugares que visitei, das senhas que escolhi… Tudo isso está registrado em minha memória.

São realmente muitos dados e esse número só tende a aumentar, principalmente nos dias de hoje, transbordantes de informações.

Quando temos muito contato com uma mesma informação, o cérebro interpreta que aquilo é importante e deve ser mantido.

O cérebro, em meio a esse turbilhão, acaba fazendo uma seleção do que considera mais importante. Os critérios de seleção não são claros como gostaríamos, mas um deles é bem óbvio: a repetição. Quando temos muito contato com uma mesma informação, o cérebro interpreta que aquilo é importante e deve ser mantido. É por isso que conseguimos nos lembrar bem daquelas músicas chatas, mesmo sem querer.

Um outro fator importante é a associação. O cérebro adora aquele “a-ha” que fazemos quando descobrimos algo novo e aquela sensação de “Ah, então é por isso que…” são excelentes alimentos para a memória. Associar informações novas com informações antigas é uma ótima forma de manter presente aquela informação que desejamos.

Um terceiro fator é o exagero. Tudo o que é exagerado é melhor retido pelo cérebro. Uma gravata de um palhaço, por exemplo, é melhor lembrada do que a de um apresentador um jornal televisivo. Isso porque foge do comum e acaba ocupando uma posição de destaque em nossa memória.

O cérebro adora imagens. A visualização é um dos quarto fatores primordiais para melhorar sua memória.

Não pense em um elefante cor de rosa! Difícil, não é? A imaginação funciona na hora e a imagem já vem pronta em nossa mente. Depois do vídeo, vou contar uma história Zen sobre Meditação e Macacos, você vai gostar; é um exemplo perfeito do que quero demonstrar.

Agora, assista ao vídeo e aprenda uma técnica muito eficaz para memorizar e aprender melhor:

A técnica que você viu no vídeo utiliza dois dos quatro princípios acima para memorizar o significado da palavra chess: a associação, quando comparamos o som da palavra em inglês com o som de uma palavra em português; e a visualização, ao construir uma imagem mental da letra X vestindo uma camisa xadrez.

Você pode, facilmente, acrescentar um terceiro elemento: o exagero. Que tal imaginar uma letra X enorme, vestindo uma camisa xadrez com cores bem vivas?

Por hoje é só! Coloque essa técnica em prática e tenho certeza de que você vai conseguir memorizar e aprender ainda mais palavras!

 

BÔNUS

CONTO ZEN – Meditação & Macacos

Um homem estava interessado em aprender meditação. Foi até um zendo (local de prática meditativa zen) e bateu na porta. Um velho professor o atendeu:

“Sim?”

“Bom dia meu senhor,” começou o homem. “Eu gostaria de aprender a fazer meditação. Como eu sei que isso é difícil e muito técnico, eu procurei estudar ao máximo, lendo livros e opiniões sobre o que é meditação, suas posturas, etc… Estou aqui porque o senhor é considerado um grande professor de meditação. Gostaria que o senhor me ensinasse.”

O velho ficou olhando o homem enquanto este falava. Quando terminou, o professor disse:

“Quer aprender meditação?”

“Claro! Quero muito!” exclamou o outro.

“Estudou muito sobre meditação?”, disse um tanto irônico.

“Fiz o máximo que pude…” afirmou o homem.

“Certo,” replicou o velho. “Então vá para casa e faça exatamente isso: NÃO PENSE EM MACACOS.”

O homem ficou pasmo. Nunca tinha lido nada sobre isso nos livros de meditação. Ainda meio incerto, perguntou:

“Não pensar em macacos? É só isso?”

“É só isso.”

“Bem, isso é simples de fazer” pensou o homem, e concordou. O professor então apenas completou:

“Ótimo. Volte amanhã,” e bateu a porta.

Duas horas depois, o professor ouviu alguém batendo freneticamente a porta do zendo. Ele abriu-a, e lá estava de novo o mesmo homem.

“Por favor, me ajude!”, exclamou aflito, “Desde que o senhor pediu para que eu não pensasse em macacos, não consegui mais deixar de me preocupar em NÃO PENSAR NELES!!!! Vejo macacos em todos os cantos!!!!”

Muito obrigado por acompanhar o blog Missão Poliglota! Gostaria muito de ler o que você tem a dizer sobre memorização. O que você achou deste artigo? Use o espaço abaixo para comentar:

Sobre o autor | Website

Igor Barca domina inglês, francês, italiano e espanhol e estuda alemão e japonês. Sua missão é aprender ao menos 10 idiomas e ajudar você a aprender também!

2 Comentários

  1. hirata says:

    Interessante suas técnicas. Infelizmente sempre tem alguém que diz “não se deve decorar, tem que aprender!”, sendo que a memorização é uma parte importante do aprendizado. Se você não memorizar (decorar) não tem como aprender! rs

    • igorbarca says:

      Exatamente! Não há para onde correr. Tudo o que sabemos está em nossa memória. Aprender é simplesmente passar o que estudamos da nossa memória de curto prazo para a de longo prazo.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.